História, localização e infra-estruturas.

Os serviços e as pessoas.

Organização, departamentos e centros de recursos.

CET, Licenciaturas e Mestrados.

Programas e projectos de investigação.

Apoio e transferência de conhecimento.

A atmosfera, as instalações, as pessoas.

Acontece na ESA.

 

Blogue Notícias ESA
IPB.Virtual - plataforma de e-learning e de e-research
Portal Candidato IPB
Ligações B-ON - Biblioteca do Conhecimento OnlinePlataforma DeGóis - Plataforma Nacional de Ciência e TecnologiaCampus Virtual IPB

Silvicultura Avançada


Área Científica: Silvicultura e Caça
Ano: 1º
Semestre: 2
Créditos: 6 ECTS
Horas de contacto: 30 T, 20 PL, 5 TC, 20 OT

Objectivos/Competências adquiridas:

Pretende-se que os alunos adquiram competências na área da silvicultura com domínio dos sistemas de produção das principais espécies florestais, sua ecologia e respectivos modelos de gestão silvícola. Pretende-se ainda que se adquiram competências técnicas de produção florestal aplicadas numa óptica de gestão sustentada. Assim, devem ser capazes de planear uma arborização com a selecção das espécies mais adequadas tendo em vista tanto as características edafoclimáticas como os objectivos pretendidos. Proceder à determinação da classe de qualidade e dominar a lógica de construção dos modelos de crescimento e produção quer ao nível da árvore quer ao nível do povoamento. Saber regular a composição de espécies nos povoamentos mistos. Aplicar técnicas que fomentem a regeneração natural dos povoamentos e usar técnicas de gestão próprias da silvicultura próxima da natureza. Pretende-se ainda que saibam aplicar conhecimentos no domínio da teoria da intervenção produtiva e da gestão florestal.

Conteúdo da unidade curricular:

Principais sistemas de silvicultura. Lenhicultura e Arboricultura. Silvicultura de folhosas de rápido, médio e lento crescimento. Sistemas de produção intensiva das principais espécies florestais. Modelação do crescimento e produção dos povoamentos florestais. Regulação da composição de espécies e seu crescimento. Gestão da regeneração natural. Povoamentos irregulares puros ou mistos. Silvicultura próxima da natureza.

Bibliografia recomendada:

Alves, A. A. M., 1988. Técnicas de produção florestal. 2ª Edição, Instituto Nacional de Investigação Científica, Lisboa.
Florence, R. G., 2004. Ecology and Silviculture of Eucalypt Forests. CSIRO Publishing.
Johnson, P. S., Rogers, R. e Shifley, S. R., 2002. Ecology and Silviculture of Oaks. CABI.
Bourgeois, C., Sevrin, E. e Lemaire, J., 2004. Le châtaignier un arbre, un bois. Idf, 2ª ed., Paris.
Balleux, P., Van-lerberghe, P., 2001. Le boisement des terres agricoles. Idf Diffusion.
Schutz, J. P., 1993. Sylviculture 1 : Principes d’éducation des forêts. Collection Gérer l’environnement, Presses Polytechniques et Universitaires Romandes, Montreux.
Turckheim, B., Bruciamacchie, M., 2005. La futaie irrégulière. Edisud.
Idf, 1997. Le merisier: les guides du Sylviculteur. Idf Diffusion.
Becquey, 1997. Le noyers à bois. Idf Diffusion.
Boudru, M., 1986. Forêt et sylviculture: sylviculture appliquée. Les Presses Agronomiques de Gembloux, Belgique.
Courraud, R., 1986. Le cloisonnement et ses implications sylvicoles dans les peuplements à base de chênes ou de feuillus divers. Forêt Entreprise, 35:24-32.
Courraud, R., 1987. Les gourmands sur les chênes rouvre et pédonculé. Forêt Entreprise, 45:20-49.
Hubert, M. e Courraud, R., 1994. Élagage et taille de formation des arbres forestiers. Institute pour le Developpement Forestier (idf), Paris.
Lanier, L., 1986. Précis de sylviculture. ENGREF, Nancy, France.
Idf, 1981. Cultiver les arbres feuillus pour récolter du bois de qualité. Idf Diffusion, Paris.
Timbal, J., Kremer, A., Le Goff, N. e Nepveu, G., 1994. Le Chêne Rouge D’Amérique. INRA, Paris.
Avery, T.E. and Burkhart, H.E. 2002. Forest Measurements 5th edition. McGraw-Hill Publishing Company. New York.
Clutter, J. L., Fortson, J. C., Piennar, L. V., Brister, G. H. e Bailay, R. L., 1992. Timber management a quantitative approach. Reprint, John Wiley and Sons, New York.


T = teóricas; TP = teórico-práticas; PL = ensino prático e laboratorial; TC = trabalho de campo; S = seminário; E = estágio; OT = orientação tutória;