História, localização e infra-estruturas.

Os serviços e as pessoas.

Organização, departamentos e centros de recursos.

CET, Licenciaturas e Mestrados.

Programas e projectos de investigação.

Apoio e transferência de conhecimento.

A atmosfera, as instalações, as pessoas.

Acontece na ESA.

 

Blogue Notícias ESA
IPB.Virtual - plataforma de e-learning e de e-research
Curso de seleção e qualificação de provadores
Clima na Escola Superior Agrária de Bragança
Estação Hidrométrica do Pontão do IPB
Portal Candidato IPB
Ligações B-ON - Biblioteca do Conhecimento OnlinePlataforma DeGóis - Plataforma Nacional de Ciência e TecnologiaCampus Virtual IPB

Viticultura


Área Científica: Produção Agrícola e Animal
Ano: 2º
Semestre: 2
Créditos: 5,5 ECTS
Horas de contacto: 30 T, 14 PL, 12 TC, 4 S, 20 OT

Objectivos/Competências adquiridas:

Conhecer:

  • a videira em termos de morfologia, fisiologia e a sua relação com o meio
  • a dinâmica de uma vinha;
  • as técnicas necessárias para a condução da vinha

Efectuar as técnicas culturais da vinha
Identificar problemas mais vulgares que ocorrem na cultura e perspectivar a sua solução.
Planear as várias operações que se realizam na vinha ao longo do tempo.
Interpretar a informação técnica sobre a cultura
Escolher o equipamento/técnicas mais adequadas para diferentes situações.
Calcular custos de realização das diferentes operações culturais.
Planear e gerir uma vinha.

Conteúdo da unidade curricular:

Importância económica e sócio-cultural da viticultura. Velho Mundo e Novo Mundo vitícola. Evolução das produções e consumos. Regiões vitícolas portuguesas. Origem e evolução de géneros e espécies da família das vitáceas. Características gerais das vitáceas e do género vitis. Morfologia e funções da raíz. Tropismos radiculares. A cepa. Constituição, morfologia e funções. A vara. Morfologia, função e classificação das varas. Constituição, morfologia e importância dos gomos. Classificação dos gomos. Fertilidade dos gomos. Morfologia, funções e classificação das folhas. Morfologia da inflorescência, cacho e bago. Fenómenos que ocorrem no bago. Origem, classificação e características culturais dos porta-enxertos. Critérios de escolha. Conceito de casta. Características culturais das principais castas “internacionais” e de vinho portuguesas. Encepamentos das regiões vitícolas portuguesas. Ritmos de vegetação. O ciclo vegetativo. Estádios fenológicos segundo Baggiolini. Repouso vegetativo. Ciclo reprodutor. Desavinho e bagoínha. Evolução do bago e da sua composição físico-química ao longo da maturação. Influência dos principais elementos do clima e dos factores geográficos no ciclo vegetativo. Exigências climáticas das castas. Índices bioclimáticos. Principais acidentes climáticos com importância para a videira. Influência do solo na produtividade e na qualidade. Fertilização da vinha: situações específicas: solos ácidos, salinidade carências e toxicidades. Via sexuada. Via vegetativa. Processos de multiplicação. Vinhas-mãe de porta-enxertos e de garfos. Viveiro de enraizamento. Enxertia. Enxertia no campo. Enxertia na mesa e metodologia de produção de enxertos-prontos. Material standard, certificado e de base. Nivelamento, armação do terreno, surriba e outros trabalhos. Marcação e piquetagem. Geometria e densidade de plantação. Embardamento. Regulamentação das plantações. Tipos de poda, princípios práticos e influência na videira. Sistemas de condução. Princípios e objectivos da empa. Intervenções em verde. Desladroamento, desponta e desfolha. As mobilizações. Principais infestantes da vinha e utilização de herbicidas. Herbicidas mais usados no seu combate. Rega da vinha. Critérios, métodos, dotações e épocas de rega Efeitos sobre a planta e produção. Fitossanidade da vinha. Castas para uva de mesa e para passa. Aspectos particulares do seu cultivo. Colheita, embalagem e conservação. Melhoramento por hibridação. Selecção massal e clonal. Ampelografia. Parâmetros e métodos de caracterização ampelográfica.

Bibliografia recomendada:

ANDRADE, J. (1997) – Contribuição para a Caracterização e Zonagem da Indicação de Proveniência Regulamentada do Planalto Mirandês. Escola Superior Agrária. Bragança.
BRANAS, J. (1974) – Viticulture. Imprimerie DÉHAN. Montpellier.
CHAMPAGNOL, F. (1984) – Eléments de Phisiologie Vegetal et de Viticulture Genérale. Edição do autor. Montpellier.
EYNARD, I; DALMASSO G. (1997) – Viticoltura Moderna. Editore Ulrico Hoepli. Milano.
FERNÁNDEEZ-CANO, L. H. , TOGORES, J. H., (2001) – Ingeniería y Mecanización Vitícola. Ediciones Mundi-Prensa.
Fregoni, M. (1985) – Viticoltura Géneral. Reda Ramo Editoriale degli Agricoltori. Itália.
GALET, P. (1993) – Précis de Viticulture. Imprimerie DÉHAN. Montpellier.
GALET, P. (1999) – Précis de Pathologie Viticcole. Imprimerie JH Impression. Montpellier.
HIDALGO, L (1999) – Tratado de Viticultura General. Ediciones Mundi-Prensa.
HIDALGO, L (2003) – Poda de la Vid. Ediciones Mundi-Prensa.
HUGLIN, P. (1986) – Biologie et Ecologie de la Vigne. Edition Payot, Lausanne Technique & Documentation. Paris.
MAGALHÃES, N. (1989) – Aspectos do Vingamento em Vitis Vinifera L. Var. Touriga Nacional. UTAD. Vila Real


T = teóricas; TP = teórico-práticas; PL = ensino prático e laboratorial; TC = trabalho de campo; S = seminário; E = estágio; OT = orientação tutória;